terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A história da filosofia.

        A história da filosofia é normalmente dividida em três grandes períodos históricos: a Filosofia Antiga (do século VII a.C. até o século III d.C.), a Filosofia Medieval (do século IV a.C. ao século XVI a.C.) e a Filosofia Moderna (do século XVII a.C. aos nossos dias). Naturalmente, essa é uma divisão um tanto arbitrária, e não pode ser considerada à prova de erros.

CARACTERÍSTICAS DA FILOSOFIA ANTIGA
        A filosofia antiga é usualmente dividida em quatro períodos: o período dos Pré-Socráticos, o período de Platão e Aristóteles, o período Pós-Aristotélico (ou Helenístico) e, às vezes, é também considerado um período que inclui os filósofos Neoplatônicos e os primeiros filósofos cristãos. Os filósofos antigos mais importantes (em termos de sua influência) são Platão e Aristóteles.
        Os temas da filosofia antiga são: o entendimento das causas e princípios fundamentais do universo; a explicação disso em uma forma única e uniforme; o problema epistemológico da reconciliação entre a diversidade e a mudança no universo natural, com a possibilidade de obter conhecimento fixo e certo sobre a pluralidade e a transformação; questões sobre as coisas que não podem ser percebidas pelos sentidos, como números, elementos, universais e deuses; a análise dos padrões de argumentação; a natureza da boa vida e a importância do saber e do conhecimento para possuí-la; a explicação do conceito de justiça e sua relação com os variados sistemas políticos.
       
CARACTERÍSTICAS DA FILOSOFIA MEDIEVAL
        A filosofia medieval é a filosofia da Europa Ocidental e do Oriente Médio durante o que é conhecido como Idade Média, entendida como o período entre a queda do Império Romano até o Renascimento. A filosofia medieval é definida parcialmente pela redescoberta e posterior desenvolvimento da filosofia grega e helenística, e parcialmente pela necessidade de responder a problemas teológicos e de integras as doutrinas sagradas (no Judaísmo, no Islamismo e no Cristianismo) com o ensino secular.
        Auns problemas discutidos nesse período são a relação entre a fé e a razão; a existência e a unidade de Deus; o objeto da teologia e da metafísica; os problemas do conhecimento; a existência dos universais; e a questão da individuação.
        Filósofos medievais incluem: os filósofos judeus Maimônides e Gersônides; os filósofos muçulmanos Alfarabi, Avicena e Averróis; e os filósofos cristãos Agostinho, Anselmo, Abelardo, Roger Bacon, Tomás de Aquino, Duns Scotus, William de Ockham e Jean Buridan.
      
CARACTERÍSTICAS DA FILOSOFIA MODERNA
        A filosofia moderna pode ser dividida entre três grandes períodos: a filosofia dos séculos XVII a XVIII, a filosofia do século XIX e a filosofia contemporânea (do início do século XX até hoje).
        A filosofia moderna inicia com o reavivamento do ceticismo e o surgimento da moderna ciência física. A filosofia neste período é centrada nos problemas a respeito: da relação entre a experiência e a realidade; da origem última do conhecimento; da natureza da mente e de sua relação com o corpo; das implicações das novas ciências naturais para o livre arbítrio e Deus; e da necessidade da emergência de uma base secular para a moral e para a filosofia política.
        Figuras importantes incluem da filosofia moderna do século XVII e XVIII incluem: Montaigne, Bacon, Hobbes, Descartes, Locke, Spinoza, Leibiniz, Berkeley, Hume e Kant.
        A filosofia moderna posterior é usualmente considerada como tendo iniciado após a filosofia de Kant no início do século XIX. Os Idealistas Alemães, como Fichte, Hegel e Schelling, expandiram o trabalho de Kant sustentando que o mundo é inteiramente conhecível porque é constituído por um processo racional.
        Rejeitando o idealismo, outros filósofos, muitos trabalhando fora da universidade, iniciaram linhas de pensamento que entraram na filosofia acadêmica do início do século XX: Peirce e William James iniciaram a escola do Pragmatismo; Husserl iniciou a escola da Fenomenologia; Kierkegaard e Nietzsche iniciaram o Existencialismo; Frege iniciou a Filosofia Analítica.

CARACTERÍSTICAS DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
        No século XX, a filosofia veio a se tornar uma atividade praticada principalmente dentro da universidade, transformando-se em uma atividade mais especializada e totalmente separada das ciências naturais.
        No mundo anglófono, a Filosofia Analítica tornou-se a escola dominante. Na primeira metade do século, era uma escola coesa, mais ou menos idêntica ao Positivismo Lógico, unida pela noção de que os problemas filosóficos poderiam e deveriam ser resolvidos pela atenção à lógica e à linguagem. Na segunda metade do século XX, a Filosofia Analítica se dividiu em uma variedade de visões filosóficas, apenas unidas fragilmente pelas linhas de influência histórica e um compromisso com a clareza e o rigor. Desde os anos 1960, a Filosofia Analítica tem mostrado um interesse renovado pela história da filosofia, assim como uma tentativa de integrar o trabalho filosófico com resultados científicos, especialmente da psicologia e das ciências cognitivas.
        Na Europa Continental, nenhuma escola filosófica específica dominou. A partida dos Positivistas Lógicos da Europa Central para os Estados Unidos, durante os anos 1930 e 1940, contudo, diminuiu o interesse filosófico pela ciência natural, e a ênfase nas humanidades. Movimentos importantes foram a Fenomenologia, o Existencialismo, a Hermenêutica e o Estruturalismo.

A todos, força sempre.
Até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário